30/07/2014

(Coisas de leitor) O que é Cliffhanger?


Cliffhanger é um recurso que os escritores/roteiristas utilizam em suas tramas para prender o leitor/telespectador. O recurso consiste em mostrar um personagem em uma situação de risco ou em uma conversa que faça com que uma parte do suspense seja desvendado e, então, abruptamente, o escritor/roteirista corta a narração/cena, indo para outro ponto da história ou voltando no tempo para que o leitor/telespectador compreenda como aquela cena se deu. O cliffhanger bem utilizado, ou seja, sem exageros, cativa muitos leitores por despertar a curiosidade, faz com que o telespectador assista ao próximo episódio ou não pare de assistir ao filme.

*AGORA, HISTORICAMENTE FALANDO...
  • O termo teve sua origem por volta do início do século XX, e foi dicionarizada em 1937, no Oxford English Dictionary. Na época o recurso foi utilizado como fim de episódio para os seriados do cinema mudo, quando o personagem ficava literalmente “à beira do precipício”, e muitas vezes as frases "To be continued," ou "The End?" instigavam a curiosidade da audiência para o próximo episódio.
  • Conhecem a história de As mil e Uma Noites? Sim, é aquele livro de contos narrado pela personagem Xerazade, que é casada com um rei que, traumatizado pela traição da primeira esposa, decide desposar toda noite uma mulher e matá-la na manhã seguinte. Ele, tendo feito isso por muitos anos, três anos para se precisa, acaba fazendo com que não haja nenhuma jovem virgem em seu reino. Tentando salvar as moças do reino do terrível fim, Xerazade pede ao seu pai, que é o equivalente a um primeiro ministro, que a apresente ao rei, é claro que ela possui um plano para não ser morta. A partir da primeira noite de núpcias, Xerazade conta uma história para o rei. Ao amanhecer ele interrompe a história voltando a contá-la na noite seguinte, estratégia que a mantém viva por muitas noites, mil e uma para ser precisa. Acredita-se que foi aí que o Cliffhanger tenha inicialmente sido usado. Esse livro é um dos mais conhecidos da literatura árabe e não foi escrito por um único autor, e sim uma legião de narradores anônimos, cujas histórias foram reunidas durante séculos até formarem a coletânea. Alguns estudiosos acreditam que boa parte desses contos teria surgido na Índia por volta do século III, ou seja, esse recurso é bem antigo, e ainda funciona.*
*Referência*:

27/07/2014

(Os mais cobiçados da semana) #3

O DRAMA MAIS COBIÇADO: A ODISSEIA DE HOMERO - GWEN COOPER
Eu amo animais. A sinopse é um tanto tristonha. Um gato cego? O livro parece ser daquele que toca as nossas emoções, mas sem forçar nada, tudo vai fluindo naturalmente.




SinopseTodo mundo que tem gatos sabe que eles são dotados de uma sensibilidade incrível e possuem uma forma peculiar de encarar a vida. Mas Homero tinha muito mais a ensinar. Abandonado, cego e rejeitado, ele tinha tudo para ser amuado e medroso. Ninguém imaginaria que um gato sem os olhos – que precisaram ser retirados cirurgicamente para garantir sua sobrevivência – seria capaz de levar uma vida normal, com a alegria e a esperteza características dos felinos. Contrariando todas as expectativas, Homero vivia como se seus olhos não lhe fizessem falta. Era bagunceiro, implicante, temperamental, divertido e dengoso como qualquer outro gato. Gwen Cooper fazia questão de afirmar que ele não era diferente. Mas ele era. Diferente não por causa da falta de visão, mas por sua capacidade de fazer aflorar nas pessoas o que elas tinham de melhor. Parecia haver em seu espírito uma sabedoria oculta e uma energia latente que inspiravam todos à sua volta. Homero se tornou o centro do mundo de sua dona. Foi se esforçando para garantir a segurança do seu gato que ela aprendeu a estabelecer a sua própria. Foi preocupando-se com a felicidade dele que Gwen percebeu quanto estava sozinha. E foi lhe oferecendo um amor incondicional que ela permitiu que esse sentimento entrasse em sua vida. Mais do que um livro divertido e comovente sobre as aventuras de um gatinho, A odisseia de Homero é uma história de superação, de autoconhecimento, de transformação e de crescimento pessoal. Ela vai fazer você rir, se emocionar e compreender que, para conseguir o que queremos da vida, muitas vezes precisamos dar um salto no escuro, da mesma forma que Homero: confiando em nossos instintos e acreditando que sempre cairemos de pé. 

O CLÁSSICO MAIS COBIÇADO: O CORTIÇO - ALUÍSIO AZEVEDO
Sei que não vou encontrar um romance bonitinho com "eu te amo, meu amor", mas meus professores de literatura não fecham a boca antes de falar desse livro, ou seja, estou muito, muito curiosa.



SinopseA obra busca recriar a realidade dos agrupamentos humanos sujeitos à influência da raça, do meio e do momento histórico. O predomínio dos instintos no comportamento do indivíduo, a força da sensualidade da mulher mestiça, o meio como fator determinante do comportamento são algumas das teses naturalistas defendidas pelo autor ao lado de denúncias sociais. O protagonista do romance é o próprio cortiço, onde se acotovelam lavadeiras, trabalhadores de pedreira, malandros e viúvas pobres.

O SUSPENSE MAIS COBIÇADO: O ÚLTIMO LIVRO - ZORAN ŽIVKOVIĆ
Esta sinopse deixa qualquer leitor com muita vontade de ler o livro e descobrir todos os mistérios. Ainda estou curiosa para saber como o autor conseguirá responder a essas perguntas e ainda resolver o mistério do livro.


SinopseAlgo de terrível está a acontecer na Livraria Papyrus! O senhor Todorović, um dos seus mais fiéis clientes, morreu inesperadamente, enquanto estava tranquilamente a folhear um livro, sentado numa das poltronas da livraria. Causa da morte: desconhecida. Vera Gavrilović, uma das proprietárias, está preocupada. Até porque este é apenas o início: a esta primeira morte sucede outra, e depois outra e outra ainda. Todas elas sem motivo aparente. Este estranho caso parece talhado à medida do Inspetor Dejan Lukić, um polícia bibliófilo. Dejan, com a ajuda de Vera, dará início a uma desconcertante investigação, que se adensará cada vez mais, ao ponto de envolver a polícia secreta. Isto até se depararem com o último livro... Enquanto o mistério não é desvendado num final surpreendente, página após página, Živković convida o leitor refletir sobre temas apaixonantes: qual a relação entre o autor e os seus personagens? Entre sonho e literatura? O que acontece quando se abre um livro? Um romance brilhante, imaginativo, subtil e fascinante que está a conquistar os leitores de todo o mundo. 

E você, meu querido leitor, o que desejou durante a semana ou durante o mês ou durante o ano (risos)?



24/07/2014

(Resenha) Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida




O livro é dividido em duas partes. A primeira parte, com 23 capítulos, vai do nascimento até o começo de adolescência de Leonardo, o protagonista. Por conta do adultério da mãe, os seus pais se separam logo nas primeiras páginas e ele passa a morar com seu padrinho. O pai de Leonardo nem ao menos cogita em cuidar dele após a separação por conta de sua personalidade travessa.

Na segunda parte do livro, com 25 capítulos, Leonardo já está adolescente e surge o seu primeiro amor, Luisinha. Inicialmente, Leonardo a considerava uma menina feia e desengonçada, o autor foge do romantismo ao descrever o primeiro amor do protagonista como sendo "alta, magra, pálida", com os "braços finos e compridos", despenteada e amuada, no entanto Leonardo começa a ver beleza na garota e essa ideia se modifica. A figura do cruel Vidigal, uma espécie de policial e juiz que metia medo a qualquer desocupado, está sempre próxima, cuidando da segurança do Rio de Janeiro.

O autor sempre mantém segredo em relação aos nomes dos personagens, um artifício que ele soube usar muito bem. Somos sempre levados a virar a página para descobrir o nome do novo personagem e quais serão suas ligações com os personagens já existentes. O segundo nome dos personagens é apresentado, geralmente, como uma característica da sua personalidade. Por exemplo, a mãe de Leonardo se chama Maria da hortaliça e ela é uma saloia (camponesa).

Os personagens são bem típicos da época em que foi escrito o livro: tem o rapaz que nunca trabalhou, mas que vive muito bem; as mulheres são muito religiosas, obrigadas a casar após a sua primeira menstruação, e as que fogem desse padrão são mal vistas pela sociedade. O pior personagem, a meu ver, é Leonardo-Pataca, pai de Leonardo. Ele não dá a mínima para como e onde seu filho está. Leonardo não é lá o melhor filho, mas é filho, não é? E quer dizer que só por que a mulher o largou ele precisa esquecer que tem um filho?

A história é contada sem muitos diálogos. O autor muitas vezes faz uma síntese da cena, algumas são até convenientes, outras, entretanto, me deixaram irritada, pois queria uma descrição minuciosa de cada gesto e queria saber cada vírgula do que os personagens falavam. O narrador personagem também ia dando seus pitacos no decorrer da história.  

Memórias de um Sargento de Milícias pertence ao Romantismo, escola literária onde as histórias são mais açucaradas, como o próprio nome diz, as histórias são mais românticas, o amor é espiritualizado. O livro, ao mostrar como era a sociedade na época em que a família real veio (fugiu) para o Brasil, apresenta características do modernismo que, 70 anos depois, pregaria um maior contato entre a vida e a literatura. Ao criar um anti-herói, Memórias de um Sargento de Milícias ainda possui características do realismo. Em suma, o autor criou uma obra original, para uma época em que os romances eram açucarados e os protagonistas tinham poucos defeitos.  

Olha não é só por que o livro é um clássico que eu terei de dizer que ele é perfeito. Memórias de um Sargento de Milícias possui um enredo muito repetitivo. Por exemplo, a primeira parte, com 98 páginas, narra todas as travessuras da infância de Leonardo, algumas eu achei desnecessárias. A segunda parte já melhora bastante, não pelo fato do romance entrar na história, mas sim por haver mais ação nas cenas. A personalidade vadia do Leonardo é colocada mais em ênfase, trazendo mais humor ao livro.

E quanto ao título? Bom, no início não o entendemos muito bem. Só no final é que as coisas vão clareando em nossa mente.

Atualização 25/07/2014: Memórias de um Sargento de Milícias foi o primeiro livro, a nível nacional, a tratar do adultério por parte de uma mulher sem deixar nenhum dúvida no leitor sobre o fato.

Adicione ao skoob aqui
Título: Memórias de um Sargento de Milícias 
Autor: Manuel Antônio de Almeida
199 páginas
Editora: Paulus
Compre: Cultura | Saraiva
Baixe o livro aqui

22/07/2014

(Coisas de Leitor) O que é uma distopia?

O Prefixo "DIS" dá um sentido de oposição à palavra que o sucede. Ou seja, distopia é a antítese de utopia. *Utopia foi um termo criado por Thomas More que serviu de título para sua obra escrita em latim por volta de 1516*, onde o autor cria uma ilha onde não existe a propriedade privada nem o dinheiro, e onde o Estado se preocupa com a felicidade do povo e a organização da produção. "Ou" (não) e "topos" (lugar), ou seja, "lugar que não existe", quer dizer, utopia é algo tão perfeito, onírico, que beira a inexistência.

CARACTERÍSTICAS
Em um livro distópico a história transcorre em um futuro distante, bem distante, onde a humanidade, por suas más escolhas do passado, está galgando rumo à extinção. Pressupõe-se, por essa característica futurística, que a tecnologia já esteja bem avançada, no entanto, não só a tecnologia, como a ciência, está estacionada no tempo, por conta dos conflitos e guerras que já ocorreram. Há obras distópicas, como, por exemplo, 1984 (George Orwell), em que a tecnologia avançada é usada pelo governo como um meio de manipular a sociedade.

Outro resultado dos conflitos e guerras que ocorrem em livros com essa temática é o desmatamento, ocasionando a escassez de água e comida, que irão se concentrar nas mãos do governo que as repassará com uma baixa qualidade. Os governadores ou líderes da sociedade são ditadores que, apoiando-se nos meios de comunicação controlados pelos mesmos, se utilizam de um discurso democrático, alienando as massas. Em estilhaça-me (Tahereh Mafi), por exemplo, a sociedade sofre com a falta de água, de comida, com o governo ditatorial, com o desmatamento, que já chegou ao ponto de ver uma árvore ser considerado um milagre.

Descobri esse gênero em 2012, ao ler Estilhaça-me, um best-seller que é bastante aclamado e vaiado. Eu não sei se sou só eu, mas amo uma polêmica no meio literário, por isso cheguei ao tal livro. Via muitas resenhas e postagens paralelas falando da semelhança da protagonista de Estilhaça-me, Juliette, com a Marie de Ex-men. Sempre que leio uma resenha com críticas ferrenhas a um livro fico louca de vontade de lê-lo e tirar minhas próprias conclusões. E, enfim, eu o li. Foi durante a leitura que eu me deparei com esta palavrinha em uma resenha: distopia. Visitei todos os blogs atrás de mais informações sobre o tal gênero e encontrei muito conteúdo bom, inclusive dicas de novos livros do gênero.

O mais recente livro do gênero que li foi o segundo livro da trilogia A Seleção, A Elite. Em illéa, local onde transcorre a história, vigorava a monarquia como forma de governo, no decorrer do livro, a protagonista vai percebendo que vive em uma dura ditadura. Eu inclusive falei na resenha que se a autora, ao invés de ter focado tanto nas indecisões de America, tivesse explorado mais o lado político e social que ela criou maravilhosamente bem ela teria uma obra muita mais rica. Mas mesmo assim a história merece os meus parabéns. Para vocês terem noção do quanto a história é futurística, a Quarta Guerra Mundial já está nos livros de história, que estão sobre o controle do rei, afinal, informação é poder. Leiam a resenha do livro 1 e do livro 2.

ALGUNS LIVROS DISTÓPICOS QUE QUERO LER

1984, GEORGE ORWELL



1984 - Sinopse:
Winston, herói de 1984, último romance de George Orwell, vive aprisionado na engrenagem totalitária de uma sociedade completamente dominada pelo Estado, onde tudo é feito coletivamente, mas cada qual vive sozinho. Ninguém escapa à vigilância do Grande Irmão, a mais famosa personificação literária de um poder cínico e cruel ao infinito, além de vazio de sentido histórico. De fato, a ideologia do Partido dominante em Oceânia não visa nada de coisa alguma para ninguém, no presente ou no futuro. O’Brien, hierarca do Partido, é quem explica a Winston que 'só nos interessa o poder em si. Nem riqueza, nem luxo, nem vida longa, nem felicidade - só o poder pelo poder, poder puro.' 



JOGOS VORAZES, SUZANNE COLLINS


Jogos Vorazes - Sinopse:
Após o fim da América do Norte, uma nova nação chamada Panem surge. Formada por doze distritos, é comandada com mão de ferro pela Capital. Uma das formas com que demonstram seu poder sobre o resto do carente país é com Jogos Vorazes, uma competição anual transmitida ao vivo pela televisão, em que um garoto e uma garota de doze a dezoito anos de cada distrito são selecionados e obrigados a lutar até a morte! Para evitar que sua irmã seja a mais nova vítima do programa, Katniss se oferece para participar em seu lugar. Vinda do empobrecido distrito 12, ela sabe como sobreviver em um ambiente hostil. Peeta, um garoto que ajudou sua família no passado, também foi selecionado. Caso vença, terá fama e fortuna. Se perder, morre. Mas para ganhar a competição, será preciso muito mais do que habilidade. Até onde Katniss estará disposta a ir para ser vitoriosa nos Jogos Vorazes?


Sim, eu nunca li esse livro, nem ao menos assiste ao filme! É assustador eu sei (risos).

*Referência*:

20/07/2014

(Os Mais Cobiçados da Semana) #2

Olá, gente! Essa semana foi difícil, muito difícil. Li muitas resenha e sinopse de livros interessantes, então, foi difícil escolher só esses três. Mas vamos lá!

O CÔMICO MAIS COBIÇADO: ELE ESTÁ DE VOLTA - TIMUR VERMES


Eu amo História. Já deu para entender o motivo da minha escolha.

Sinopse: Berlim, 2011. Adolf Hitler acorda num terreno baldio. Vivo. As coisas mudaram: não há mais Eva Braun, nem partido nazista, nem guerra. Hitler mal pode identificar sua amada pátria, infestada de imigrantes e governada por uma mulher. As pessoas, claro, o reconhecem — como um imitador talentoso que se recusa a sair do personagem. Até que o impensável acontece: o discurso de Hitler torna-se um viral, um campeão de audiência no YouTube, ele ganha o próprio programa de televisão e todos querem ouvi-lo. Tudo isso enquanto tenta convencer as pessoas de que sim, ele é realmente quem diz ser, e, sim, ele quer mesmo dizer o que está dizendo. Ele está de volta é uma sátira mordaz sobre a sociedade contemporânea governada pela mídia. Uma história bizarramente inteligente, bizarramente engraçada e bizarramente plausível contada pela perspectiva de um personagem repulsivo, carismático e até mesmo ridículo, mas indiscutivelmente marcante.

O HISTÓRICO MAIS COBIÇADO: CONSTRUINDO VICTÓRIA - CLARISSE A. ALVARENGA


Creio que os escritores precisam tomar muito cuidado ao criar uma sinopse. Essa, por exemplo, deixa qualquer pessoa instigada a ler a obra. Século XVIII e 2013? Como assim? Simplesmente amei! Não tem como decepcionar! Conheça o projeto da autora no Cartase aqui.

Sinopse: A história tem dois grandes pontos de partida. Um no século XVIII e um em 2013. No passado, uma garota brasileira viaja para Londres visitar o irmão, e lá se apaixona perdidamente por um rapaz. A história inicia na época atual, narrada por um rapaz recém transformado em vampiro que, abandonado por seu criador, se vê incumbido de cuidar do bem estar de alguém que o mesmo não conhece. Todavia, diversos narradores vão se intercalando, e o leitor descobre que se trata da história de uma moça, transformada em vampira na época da Revolução Francesa que por mais de 100 anos esteve desacordada e quando acorda, tem diversos lapsos de memória. A história, narrada do ponto de vista de cada um dos personagens principais que se relacionaram ao longo do tempo com a personagem principal, se estende desde o ano de 1766 aos dias atuais onde o leitor vai descobrindo e construindo junto com a personagem principal sua história e as razões que a levaram a ficar desacordada por tanto tempo.




O ROMANCE MAIS DESEJADO: O ÚLTIMO LIVRO - MARIBELL AZEVEDO



Vi a resenha desse livro no blog Recanto da Mi e a blogueira soube atiçar a minha curiosidade. Qualquer leitor já fica curioso ao ler esse título. 

Sinopse: Naquela noite do Dia dos Namorados, Olívia estava ansiosa para comprar um livro a fim de ajudá-la a passar mais essa data solteira. Mas as coisas não saíram bem como imaginava, quando se vê obrigada a disputar o último exemplar da livraria, com um estranho charmoso que não está disposto a ceder. Agora, eles precisam resolver esse impasse, começando uma aventura divertida que os fará viver um conto de fadas moderno.


Pois é, aculturados, por esta semana esses ganham o título de mais cobiçados. Espero que tenham curtido o post. Compartilhem comigo a sua listinha. Deixem nos comentários quais livros você mais cobiçou durante a semana. 



14/07/2014

(Li até a página 100 e...) Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida




PRIMEIRA FRASE DA PÁGINA 100: 
"[...] Na sala improvisou-se um oratório com uma toalha, um copo com arruda e uma imagem de Nossa Senhora da Conceição de louça, enfeitada com cordões de ouro [...]"

DO QUE SE TRATA O LIVRO?
O livro conta as histórias de Leonardo. Na primeira parte do livro é narrada a infância e na segunda parte Leonardo já é um rapaz e apaixona-se por Luisinha, seu primeiro amor. 

O QUE ESTÁ ACHANDO ATÉ AGORA?
O livro é meio parado, muito parado. A personalidade irrequieta do memorando, Leonardo, foi a diversão dessas 100 páginas lidas.

O QUE ESTÁ ACHANDO DA PERSONAGEM PRINCIPAL?
Qualquer pessoa que já foi uma criança travessa irá se identificar com Leonardo. O guri é muito cheio de estratagemas e seu padrinho, cego de amor, não o vê como uma criança travessa. 

MELHOR QUOTE ATÉ AGORA?
"Começaram então os dois uma obra meritória: enquanto um, tendo enchido o turíbulo de incenso, e balançando-o convenientemente, fazia com que os rolos de fumaça que se desprendiam fossem bater de cheio na cara da pobre mulher, o outro com a tocha despejava-lhe sobre as costas da mantilha a cada passo plastradas de cera derretida, olhando disfarçado para o altar" Página 60

VAI CONTINUAR LENDO?
Não gosto de deixar um livro pela metade, portanto, vou terminar a leitura e continuar me divertindo com esse mocinho.

ÚLTIMA FRASE DA PÁGINA?
"O Leonardo-Pataca começava a impacientar-se [...]"

*PERSONAGEM MARCANTE?
Impossível escolher qualquer outro personagem que não seja o Leonardo. Sim, eu fui uma criança um pouco travessa... 

Adicione ao skoob aqui
199 páginas
Editora: Paulus
Autor: Manuel Antônio de Almeida
Compre: Saraiva

13/07/2014

(Os Mais Cobiçados da Semana) #1

Você é daquele tipo de leitor que sempre está lendo resenhas, está por dentro dos lançamentos? Então provavelmente você cobiça milhares de livros!

Essa coluna tem como o objetivo compartilhar os livros que eu mais desejei durante a semana. Todo domingo venho aqui atualizá-la e espero que vocês me contem os seus cobiçados da semana também.

O DISTÓPICO MAIS COBIÇADO: DESAFIO - C. J. REDWINE
Depois de ler Estilhaça-me eu, simplesmente, me apaixonei pelo gênero. Não vou negar que o que atiçou minha curiosidade foi a capa, mas, ao ler a sinopse, comecei a cobiçar Desafio.


Sinopse: No interior das muralhas de Baalboden, à sombra do brutal Comandante da cidade, Rachel Adams guarda um segredo. Enquanto as outras garotas fazem vestidos e obedecem a seus Protetores, Rachel é capaz de sobreviver nas florestas e de manejar uma espada com destreza. Quando seu pai, Jared, é declarado morto em uma missão, o Comandante designa para Rachel um novo Protetor: Logan, o aprendiz de seu pai, o mesmo rapaz a quem Rachel declarou o seu amor há dois anos, e o mesmo que a rejeitou. Com nada além da forte convicção de que seu pai está vivo, Rachel decide fugir e encontrá-lo por conta própria. Mas uma traição contra o Comandante tem um preço alto, e o destino que a aguarda nas Terras Ermas pode destruí-la.



O CLÁSSICO MAIS COBIÇADO: DOM CASMURRO - MACHADO DE ASSIS
Eu preciso muito ler esse livro! Todos os meus professores de literatura falam maravilhas desse clássico. Eu assisti à minissérie que a Rede Globo exibiu quando eu ainda era criança e gostei bastante. E, após ler Memórias Póstumas de Brás Cubas (resenha aqui), virei fã de Machado de Assis. Acredito que não há como esse livro me decepcionar.


Sinopse: Publicado pela primeira vez em 1900, Dom Casmurro é o romance mais famoso e polêmico de Machado de Assis. Ambientado no Rio de Janeiro do século XIX, é narrado por seu protagonista: Dom Casmurro, um velho solitário e frustrado que, em virtude de sua "simpatia", recebe esse apelido de um conhecido. O personagem busca, por meio da narrativa, rememorar e compreender fatos do seu passado, principalmente os que envolvem uma mulher: Capitu, a personagem mais intrigante e misteriosa da literatura brasileira. A polêmica toda se centraliza em uma dúvida: Capitu é ou não culpada de adultério? Os fatos até podem indicar que sim, mas o leitor não pode deixar de atentar para um fato: Bento Santiago - o Dom Casmurro -, além de narrador, é advogado. Não teria ele todos os atributos intelectuais para envenenar a narrativa, de modo a levar o leitor a condenar Capitu? Obra lida no mundo todo, por sua genialidade, não pode deixar de ser deliciada pelo leitor brasileiro.



O ROMANCE MAIS COBIÇADO: A MÁQUINA DE CONTAR HISTÓRIAS - MAURÍCIO GOMYDE 
Já li várias resenhas elogiosas desse livro. Gente eu sou aspirante a escritora, então, naturalmente, eu me apaixonei de cara pelo título e pela sinopse.


Sinopse: Na noite em que o escritor best-seller Vinícius Becker lançou A Máquina de Contar Histórias, o novo romance e livro mais aguardado do ano, sua esposa Viviana faleceu sozinha num quarto de hospital. Odiado em casa por tantas ausências para cuidar da carreira literária, ele vê o chão se abrir sob seus pés. Sem o grande amor da sua vida, sem o carinho das filhas, sem amigos... O lugar pelo qual ele tanto lutou revela-se aquele em que nunca desejou estar. Vinícius teve o mundo nas mãos, e agora, sozinho, precisa se reinventar para reconquistar o amor das filhas e seu espaço no coração da família V. Uma história emocionante, cheia de significados entrelaçados pela literatura, mostrando que o amor de um pai, por mais dura que seja a situação, nunca morre nem se perde.


Foi um pouco difícil escolher só esses três títulos e é óbvio que desejo outros milhares, mas por hoje é só. Compartilhem comigo sua lista de desejos, deixem nos comentários os livros que vocês mais querem  ler.

12/07/2014

(No Ritmo da Leitura) Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis






Olá, aculturados!

Eu criei essa coluna há alguns meses para compartilhar com vocês quais músicas eu imagino quando leio uma cena (leia a primeira postagem). Eu publiquei recentemente a resenha do livro Memórias Póstumas de Brás Cubas (leia a resenha), o clássico que entrou para a minha lista de favoritos. O livro foi publicado em 1881 e quando leio um livro histórico imagino grandes salões de festas, muita valsa e outras coisinhas do gênero.

Brás Cubas, o protagonista do livro, pertence à elite, como já foi dito na resenha, ou seja, ele participava de eventos, ia a teatro constantemente, enfim, vivia como os intelectuais da época.

"Mas noutro baile, dado daí a um mês, em casa de uma senhora, que ornara os salões do primeiro reinado, e não desomava então os do segundo, a aproximação foi maior e mais longa, porque conversamos e valsamos. A valsa é uma deliciosa coisa. Valsamos; não nego que, ao aconchegar ao meu corpo aquele corpo flexível e magnífico, tive uma singular sensação, uma sensação de homem roubado." Página 54

Bom eu só imaginava uma música para as cenas do tipo como à descrita a cima.

É claro que eu não imaginava Virgínia e Brás Cubas fazendo passos tão elaborados, mesmo o defunto autor, com toda a sua presunção, se auto declarando um "valsista emérito".

No Belo Danúbio Azul (Danúbio Azul) - Johann Strauss




Valsa do Imperador - Andre Rieu 

                                           

Adicione o livro ao skoob aqui.

Essas valsas são uma bálsamo para a alma! Espero que tenham curtido. Alguém aí já leu Memórias Póstumas de Brás Cubas? Pretende ler após ler essa postagem?

09/07/2014

(Resenha) Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis




Depois de muito ouvir falar dos meus professores do ensino médio da grandeza de Memórias Póstumas de Brás Cubas, eu finalmente me rendo à curiosidade. Eles não exageraram.


Brás Cubas não fez nada de notório em sua vida, nem mesmo trabalhou, mas sempre usufruiu de uma vida de luxo, fato que pode ser explicado por sua família pertencer à elite. Em sua última tentativa de se destacar na história da humanidade, ele acaba sendo vítima de sua própria criação, indo a óbito.

Do seu túmulo, ele não desiste do sonhado reconhecimento. Usando de toda a sua soberba e sentimento de superioridade intelectual, ele narra sua vida profissional e seu relacionamento extramatrimonial com Virgília, a mulher de Lobo Neves, o homem que supostamente "roubou" seu cargo político e Virgínia.

Até então, algumas pessoas que leem essa postagem deve estar pensando: "Nossa, que clichê! Que chato! Por isso que não gosto dos clássicos!" Todo escritor, por mais original que seja, irá ter clichê em sua obra. Acontece que um clichê precisa ser mascarado com personalidade. Quando Machado de Assis escolheu Brás Cubas, o defunto autor, como narrador personagem, ele inovou a forma de escrever um romance; quando ele fez uma análise psicológica dos personagens, ele criou o Psicanálise Machadiana, digno de um capítulo à parte em nossos livros de literatura.  

Os capítulos são minúsculos, o que nos faz avançar na leitura em um nível alucinante. Em contrapartida, vale ressaltar que Memórias Póstumas de Brás Cubas tem uma escrita rebuscada, o que nos faz recorrer constantemente aos dicionários, atrasando a leitura. Sei que um dos motivos de algumas pessoas não terem em boa conta os clássicos é justamente essa linguagem rebuscada presente na maioria. Contudo, vale fazer um esforço para ler algo de tão boa qualidade.

A história do protagonista não é o que enriquece o livro, mas sim as suas análises viscerais das questões humanas, as suas críticas à sociedade. O que enriquece o texto são as reflexões do autor defunto, que geralmente são tragas por meio de sátiras de quem já não tem mais o pudor dos vivos.


"[...] Talvez espante ao leitor a franqueza com que realço e exponho a minha mediocridade; advirta que a franqueza é a primeira virtude de um defunto. Na vida, o olhar da opinião, o contraste dos interesses, a luta das cobiças obrigam a gente a calar os trapos velhos, a disfarçar os rasgões e os remendos [...]" Página 34. 

A história por vezes parece estar truncada, no entanto vale ressaltar que o livro aborda memórias póstumasPor exemplo, não sabemos como Lobo Neves "roubou" seu cargo político e lhe tirou a noiva, pois tudo está sobre a visão monopolista de Brás, o que não diminui a qualidade da obra.


"Então apareceu Lobo Neves, uma homem que não era mais esbelto do que eu, nem mais elegante, nem mais lido, nem mais simpático, e todavia foi quem me arrebatou Virgília e a candidatura, dentro de poucas semanas, com um ímpeto verdadeiramente cesariano. Não precedeu nenhum despeito; não houve a menor violência de família" Página 49.


Com um humor fino e corrosivo, o autor nos embala nas pacholices de um mocinho nada bonzinho.

#Euaprendi
O ser humano é o único animal capaz de escolher se age instintivamente ou não.  


Adicione ao skoob aqui
Título: Memórias Póstumas de Brás Cubas
Autor: Machado de Assis
125 páginas
Editora: América do Sul LDA
Baixe o livro aqui

Veja as músicas que acompanharam a leitura desse livro aqui.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...